{{ content.logo.text }}

  • {{searchSuggestions.title}}
{{item.title}}

Resumo

A Enel Grids está procurando um novo conceito de design para uma subestação secundária pré-fabricada, que deve ter características inovadoras em nível de design, de materiais e de construção e deve incorporar os princípios de sustentabilidade, abordando principalmente o design circular. A novo design deve assegurar, nas características técnicas e nas do produto, o cumprimento integral das normas técnicas e de segurança em vigor, para utilização e instalação, levando em conta as dimensões mínimas necessárias para alojar todos os equipamentos normalmente encontrado no interior da subestação.

 

VISÃO GERAL

Subestações secundárias são infraestruturas elétricas dedicadas à transformação de média-tensão em baixa-tensão e ao controle e à proteção da rede elétrica, sendo acessadas pela equipe especializada da Enel. O desafio descrito visa identificar um projeto arquitetônico inovador de uma subestação secundária ao nível da rua, capaz d utilizar materiais sustentáveis e melhorar a integração da estrutura em contextos rurais e urbanos, mantendo sua atual funcionalidade.

A Enel está comprometida com um modelo de negócios sustentável, a partir de uma intensa aceleração na descarbonização, prevendo emitir zero carbono até 2040. Tal abordagem é adotada por todos os negócios do Grupo e para potencializar o status Net Zero, a Enel impulsiona a economia circular por meio de materiais sustentáveis, modularidade para estender a vida útil e processos circulares em toda a cadeia de valor e além dela: desde as fases de projeto e aquisição, até a produção e gerenciamento de fim de vida. Para maximizar a criação de valor e garantir a implementação completa de cada solução, deve ser aplicada uma abordagem sustentável desde o design. Isso significa que, para orientar o projeto das novas subestações secundárias pré-fabricadas, deve-se começar pela análise de contexto e identificação de todas as soluções que evitam, ou minimizam, o impacto ambiental e social.  

Para perguntas sobre esse desafio e/ou sobre a sua proposta, entre em contato com: infogridchallenges@enel.com.

Descrição

A utilização de subestações secundárias pré-fabricadas segue atividades cotidianas e ordinárias que requerem intervenções e inspeções internas a serem realizadas, apenas, por pessoal competente da Enel, a fim de verificar a estrutura e sua integridade em caso de impactos acidentais ou qualquer adulteração. Para a segurança do pessoal especializado da Enel e de terceiros, como pedestres, a subestação secundária deve cumprir condições de segurança específicas.

As respectivas dimensões dos componentes internos que devem ser instalados e manuseados são destacadas, mas a determinação do leiaute desses componentes não faz parte do escopo deste Desafio.

O DESAFIO

O propósito deste Desafio é a criação de novos conceitos arquitetônicos sustentáveis dedicados às subestações secundárias. O principal objetivo do Desafio é a criação de um sistema modular arquitetônico sustentável inovador que permita um elevado grau de versatilidade, requisito necessário para a adaptação, de edifícios e de elementos arquitetônicos, aos diferentes contextos de uso presentes na área.

Os objetivos primários são:

  • Promover um impacto visual positivo destas infraestruturas a fim de melhorar sua inserção no espaço local, realçando um diálogo mais harmonioso com o ambiente natural dos locais onde estiverem inseridas;
  • Proporcionar de nova qualidade e inovação às subestações pré-fabricadas, com base na pesquisa de projetos;
  • Simbolizar uma nova visão de energia que a Companhia vem promovendo e comunicando: mais participativa, bidirecional, sustentável e catalisadora de uma relação mais próxima entre a Companhia e os clientes. Fornecer a possibilidade de transmissão de mensagens aos clientes ou, aos diversos stakeholders da Empresa;
  • Viabilidade econômica;
  • Integrar a perspectiva circular no projeto para garantir a longevidade dos ativos, incentivando a modularidade e, portanto, a a substituição e manutenção de componentes, assim como, a reciclagem/reutilização dos materiais da cabine em fim de vida. Os principais impulsionadores de uma abordagem de design circular incluem:
    • Estrutura/Arquitetura do Produto: reduza o número de componentes em relação à principal funcionalidade necessária e adote um design que facilite a remoção de materiais perigosos;
    • Componentes: use componentes duráveis e evite materiais perigosos;
    • Energias Renováveis: incluem fontes de energia renováveis para uso interno;
    • Materiais: sempre que possível, selecione materiais recicláveis/reciclados, energeticamente eficientes e minimize a variabilidade dos materiais utilizados. É preferível a incorporação de materiais reciclados no design. Em particular, o uso de alternativas ao concreto armado tradicional, isto é, alternativas mais sustentáveis, seria a melhor opção (incluindo materiais de substituição do clínquer, como por exemplo, o concreto reciclado e o bioconcreto);
    • Projeto para desmontagem: o componente deve ser projetado para facilitar a desmontagem e recuperação de todos os materiais ao final de sua vida útil.

O júri que vai avaliar a proposta, será composto por representantes da Enel Grids e vários grandes nomes de universidades e instituições das áreas de design e arquitetura.

 

CONTEXTOS DE USO

Dada a grande variedade de contextos aos quais as subestações secundárias se relacionam, o Desafio propõe três locais de estudo de caso para que os conceitos e estratégias arquitetônicas propostas sejam aplicados. Como exemplo de três diferentes contextos de uso, escolhemos os seguintes locais: 

1. SUBESTAÇÃO SECUNDÁRIA URBANA (Minibox)

Subestações secundárias localizadas em contexto urbano de grandes municípios:

  • As áreas que hospedam as subestações secundárias podem ser de pequeno porte devido ao alto custo do terreno e à falta de espaço disponível nas áreas urbanas.
  • Dimensões internas mínimas das subestações secundárias urbanas: Largura=1900 x Profundidade=2800 x Altura=1800 mm.
  • Requisitos mínimos de acessibilidade das subestações secundárias urbanas: 4 (com 4 portas).
  • Dimensões mínimas das portas das subestações secundárias urbanas: lado da porta 1-2: Largura=2000 x Altura=1600 mm/ lado da porta 3-4: Largura=920 x Altura=1600 mm.
  • Teto removível para entrada de componentes pela parte superior. Deve ter pontos de suspensão adequados para transporte e instalação.

No Anexo B1, estão disponíveis desenhos CAD e modelos BIM para as atuais subestações secundárias urbanas (Minibox).

Não é possível variar no tamanho das portas e janelas.

 

2. SUBESTAÇÃO SECUNDÁRIA SEMI-URBANA (Caixa Padrão)

Subestações secundárias localizadas em contextos semiurbanos (pequenos municípios) ou periféricos:

  • As áreas que hospedam as subestações secundárias são de tamanho médio e, em alguns casos, têm que lidar com o alto custo dos terrenos de áreas semiurbanas.
  • Dimensões internas mínimas das subestações secundárias semiurbanas: Largura=2300 x Profundidade=5530 x Altura=[min. 2300, máx. 2600] milímetros.
  • Requisitos mínimos de acessibilidade das subestações secundárias semiurbanas: 1 (com 2 portas).
  • Dimensão mínima da porta das subestações secundárias semiurbanas 1-2: Largura=1250 x Altura=2100 mm.
  • Pelo menos, 2 janelas com dimensões mínimas: Largura=1200 x Altura=500 mm.
  • O telhado deve ter pontos de suspensão adequados para transporte e instalação.

No Anexo B2, estão disponíveis desenhos CAD e modelos BIM para as atuais subestações secundárias semiurbanas (Standard Box).

Não é possível variar no tamanho das portas e janelas.

 

3. SUBESTAÇÃO SECUNDÁRIA RURAL (Micro Box)

Subestações secundárias localizadas em contextos rurais:

  • As áreas que hospedam as subestações secundárias são geralmente (mas não necessariamente) grandes em tamanho, graças ao custo acessível dos terrenos nas áreas rurais.
  • Dimensões internas mínimas das subestações secundárias rurais: Largura=1600 x Profundidade =2000 x Altura=1800 mm.
  • Requisitos mínimos de acessibilidade das subestações secundárias rurais: 3 (com 3 portas).
  • Dimensões mínimas das portas das subestações secundárias rurais: lado da porta 1: Largura=1650 x Altura=1600 mm/ lado da porta 2-3: Largura=920 x Altura=1600 mm.
  • Teto removível para entrada de componentes pela parte superior. Deve ter pontos de suspensão adequado para transporte e instalação.

No Anexo B3, estão disponíveis desenhos CAD e modelos BIM para as atuais subestações secundárias semiurbanas (Standard Box).

Não é possível variar no tamanho das portas e janelas.

 

CARACTERÍSTICAS DO DESIGN

1. Modularidade e replicabilidade do projeto

As propostas devem ser modulares, escaláveis e adaptáveis nos elementos construtivos e nas características visuais e estilísticas. O tamanho e a complexidade mudarão de acordo com o contexto de uso e o tipo de infraestrutura elétrica associada. Os módulos arquitetônicos fornecidos podem ser escolhidos e utilizados em função do tipo e categoria da área de intervenção, garantindo a sua reprodutibilidade em qualquer contexto previsto. É, portanto, importante que as características distintivas partilhadas pelas variantes arquitetônicas propostas surjam de forma clara e sejam devidamente realçadas.

2. Impacto visual e sustentável

Novos projetos e intervenções arquitetônicas terão como objetivo enriquecer o horizonte e a silhueta da subestação com um valor estético-simbólico, potencializando o impacto visual das áreas externas e internas.

3. Comunicação

Os projetos arquitetônicos propostos devem ser capazes de:

  • Promover uma imagem aberta e inovadora da Enel, comunicando a estratégia e o compromisso do Grupo no âmbito da transição energética, especificamente por meio da sua visão das redes do futuro: sustentáveis, resilientes e participativas.
  • Comunicar a visão e o compromisso da Enel, por meio das Subestações Secundárias, em transformar esses importantes ativos da rede elétrica em símbolos visíveis da mudança que vem ocorrendo no setor de energia e, também, promover seu impacto positivo através de um diálogo harmonioso com diferentes contextos ambientais.

É possível fornecer dispositivos de comunicação como monitores, projetores etc., que serão posicionados nas superfícies externas das arquiteturas para transmissão de informações relacionadas à subestação, conteúdo corporativo e/ou conteúdo de interesse público.

4. Materiais sustentáveis e energia renovável

É necessária a utilização de materiais sustentáveis nas propostas de projetos nas Áreas Técnicas e nas de Desenvolvimento, assim como, a inclusão de fontes de energia verde integradas na planta, dedicada a usos internos.

Os materiais e tecnologias propostos devem, em todos os casos, permitir viabilidade imediata e serem adequados ao setor e ao contexto de aplicação previsto.

Para evitar um aumento excessivo da temperatura no interior dos edifícios, são necessárias soluções capazes de blindar os edifícios e de dissipar o calor interno durante o verão, por exemplo, através da escolha de materiais adequados para um efeito mais fresco.

É possível incluir a recuperação de águas pluviais de superfícies horizontais não sujeitas a contaminações. A água da chuva recuperada pode ser reutilizada dentro da área da estação para operações de manutenção ordinária, ou ainda, para irrigação de áreas verdes disponíveis ao público.

Os projetistas (designers) devem considerar os pilares da economia circular e da sustentabilidade como direcionadores estratégicos do projeto para o desenvolvimento da infraestrutura, de acordo com a metodologia ENVISION (ver anexos com a tabela de auto-avaliação e o manual de auto-avaliação ENVISION).

Baseie-se na metodologia de auto-avaliação ENVISION para fornecer uma pontuação de impacto positivo estimada (com base no sistema de pontuação ENVISION) para a infraestrutura proposta, em termos de sustentabilidade como um todo (consulte o Anexo C). Essa pontuação deve acompanhar a proposta.

5. Promoção da mobilidade elétrica

A inclusão de serviços a favor de ‘e-mobility’ será avaliado positivamente. Em especial, pode-se destinar um espaço para a instalação de um sistema para recarga de veículos elétricos (EVSE) (como sugestão, não como obrigação).

Desta maneira, será possível identificar facilmente e reservar tais espaços, apenas para uso de veículos elétricos plug-in.

6. Inclusão social

Para o novo design sustentável, será avaliada positivamente, também, a proposta de serviços em prol de inclusão social como, por exemplo, atividades que reúnam pessoas e estimulam comportamentos positivos em relação à promoção de boas práticas sociais.

7. Iluminação

É possível utilizar a luz natural para a iluminação interna da arquitetura, evitando o aumento excessivo da temperatura no interior das edificações. Em particular, na estação mais quente, é necessária a proteção do calor externo e dissipação do calor no interno. A escolha de materiais apropriados, é um bom exemplo.

 

ODS

Este Desafio contribui para os seguintes Objetivos de Desenvolvimento Sustentável:

  • ODS 8: Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todos;
  • ODS 9: Construir infraestrutura resiliente, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação;
  • ODS 11: Tornar cidades e assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis;
  • ODS 12: Garantir padrões sustentáveis de consumo e produção;
  • ODS 13: Tomar medidas urgentes para combater as mudanças climáticas e seus impactos.
{{item.title}}

Regras do Desafio

Este desafio é reservado a engenheiros, arquitetos, designers, startups, scaleups e PME, industriais com sede em qualquer país e que atuem como pessoas físicas e/ou jurídica.

Observe que:

  1. funcionários da Enel Grids e das demais Empresas do Grupo Enel; e
  2. pessoas físicas que estejam envolvidos na organização e gestão do Desafio, ou admitidos no setor Administrativo do Portal Open Innovability®, assim como, seus cônjuges, companheiros (as) e parentes de até quarto grau das pessoas listadas, acima, em (i) e (ii), não são elegíveis para participação neste Desafio. É responsabilidade do Candidato verificar com os membros de seu parentesco ou cônjuge ou parceiros (ou em relação aos membros de sua equipe) se algum deles está conectado, de alguma forma, ao Desafio ou ao Portal Open Innovability®. Se necessário, é possível solicitar (por e-mail para infogridchallenges@enel.com) informações adicionais sobre como cumprir com tal obrigação, à Enel Grids.

Ao se inscrever no Desafio, o Proponente deve declarar e garantir que é elegível para participar do Desafio, de acordo com as disposições do presente CTC. Além disso, o Proponente deverá declarar e garantir que:

  1. todas as informações contidas na Proposta são verdadeiras, precisas e completas e que irá mantê-las atualizadas, a fim de que permaneçam sempre verdadeiras, precisas, atuais e completas;
  2. a (o) Candidata (o) visualizou e aceitou a política de privacidade da Plataforma;
  3. a (o) Candidata (o) não infringiu nenhuma lei do país de residência em relação à legalidade do registro e participação no Desafio;
  4. tratando-se de pessoa física, a idade mínima é de 18 anos;
  5. no caso de pessoa jurídica, a (o) Candidata (o) está autorizada (o) a participar deste CTC em nome dessa empresa ou entidade;
  6. até onde você sabe, você não está em posição de conflito de interesse com o assunto do Desafio, nem com qualquer componente da equipe de avaliação;
  7. a Proposta não: (i) viola os direitos - incluindo, mas não se limitando a, direitos autorais, direitos de marca, direitos de patente, segredos comerciais ou direitos de privacidade - de qualquer terceiro; (ii) Destacar quaisquer marcas registradas ou logotipos nas apresentações;
  8. a (o) Candidata (o) se isenta e se compromete a isentar a Enel Grids e todas as empresas do Grupo Enel de toda e qualquer responsabilidade ou qualquer lesão, perda ou dano de qualquer tipo decorrente ou em conexão com o Desafio e/ou a implementação das atividades relacionadas ao desafio.
 

A Enel Grids lembra a todos os Candidatos que o Grupo Enel adotou e adere aos princípios estabelecidos no Código de Ética da Enel (disponível em https://www.enel.com/content/dam/enel-com/documenti/investitori/governance/sistema-di-controllo-interno/codice-etico-enel_2021.pdf), o Plano de Tolerância Zero contra a corrupção (disponível em https://www.enel.com/content/dam/enel-com/documenti/investitori/governance/sistema-di-controllo-interno/piano-tolleranza-zero-corruzione.pdf), a Política de Direitos Humanos da Enel (disponível em https://www.enel.com/content/dam/enel-com/documenti/investitori/sostenibilita/diritti-umani/human-rights-policy_december2021.pdf), o Modelo Organizacional de acordo com o Decreto Legislativo 231/01, conforme posteriormente alterado e complementado, (disponível em https://www.enel.com/content/dam/enel-com/documenti/investitori/governance/sistema-di-controllo-interno/modello-231.pdf).

 

Pelo presente, o Proponente confirma que se refere aos mesmos princípios adotados pelo Grupo Enel. O Proponente reconhece também, que o Grupo Enel adotou o Programa de Conformidade Global da Enel, elaborado levando em consideração as principais convenções internacionais contra a corrupção (ou seja, a Lei de Suborno; a Lei de Prática de Corrupção Estrangeira etc.) e que deve ser adotado por todas as subsidiárias ‘não-italianas’ do Grupo Enel.

A Enel Grids reserva-se o direito de rejeitar qualquer proposta que não cumpra estes Termos e Condições. Se o Desafio for vencido por um (a) Candidato (a) que não atenda aos requisitos citados, a (o) Candidata (o) perderá o direito ao prêmio.

 

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PREMIAÇÃO

As propostas devem ser submetidas exclusivamente online, através da Plataforma.

Solicita-se que as (os) Candidatas (os) apresentem suas Propostas em inglês ou em italiano. Não serão consideradas propostas submetidas em outro meio, que não a plataforma digital, ou idioma.

Solicita-se, ainda, que as (os) Candidatas (os) informem se já participaram com a mesma proposta ou, algo semelhante, em outro desafio promovido pela Plataforma Open Innovability®.

As propostas serão submetidas em uma única etapa e incluem as seguintes seções:

1. Uma descrição escrita (apenas texto, sem imagens ou desenhos) em documento vertical A4, contendo o seguinte conteúdo:

1.1 Descrição dos princípios do projeto e dos elementos da solução arquitetônica proposta com explicação sobre como o Candidato se propõe a abordar os requisitos listados no resumo do desafio;

1.2 Um resumo dos materiais e tecnologias da proposta de design;

1.3 Panorâmica da viabilidade técnica e econômica da proposta de projeto;

1.4 Tabela compilada do sistema de pontuação ENVISION;

1.5 Descrição de como o Proponente se propõe a abordar os requisitos de sustentabilidade;

1.6 Confirmação do cumprimento de todos os requisitos ou declaração de requisito não-respeitado.

2. Para cada uma das 3 localidades de estudo de caso:

2.1 Visualizações 3D (‘rendering’) passo-a-passo do conceito arquitetônico proposto e áreas de desenvolvimento;

2.2 Desenhos técnicos com todas as dimensões máximas, plantas e elevações, em formato dwg e pdf.

As (os) candidatas (os) podem anexe documentos (máximo de 5 arquivos, 35MB para cada um. PDF, JPEG, formatos ZIP suportados).

Caso o participante queira enviar um número maior de anexos, sugerimos fazer upload de mais de uma solução para o mesmo desafio alterando o título da proposta (exemplo: nova cabine parte 1, nova cabine parte 2 etc.) anexando arquivos diferentes para cada upload.

 

A Enel Grids vai premiar:

  • a (o) Candidata (o) selecionada (o) como vencedor (a) do Desafio: um montante de 30 mil euros (30.000 Euros);
  • aos Candidatos escolhidos para receberem um prêmio opcional, um montante de 7 mil euros (7.000 Euros).

 

PRAZO FINAL

As inscrições para este desafio devem ser recebidas até às 23h59 (horário da Europa Central) de 2 de outubro de 2022.

Não serão consideradas inscrições submetidas fora desse prazo.

Regulamento específico no CSA esta anexado no final desta página.

Regulamento

Regulamento - Novo projeto para subestações secundárias sustentáveis da Enel

PDF (0.18MB) Baixe

O que acontece depois?

Ao final do Desafio, o Requerente deve completar o processo de revisão e decidir qual será a Solução Vencedora (ou Soluções Vencedoras). Todas (os) as (os) Proponentes serão informadas (os) sobre o status de suas propostas.

A Enel vai avaliar as propostas, a partir dos seguintes critérios:

  1. Grau de inovação (pesquisa de design);
  2. Aparência e qualidade da comunicação;
  3. Integração no contexto da instalação;
  4. Adoção de princípios de economia circular e sustentabilidade;
  5. Conformidade técnica e normativa;
  6. Reprodutibilidade e modularidade;
  7. Viabilidade e fatibilidade econômica.
 

Além dos Prêmios, a Enel se reserva o direito, a seu exclusivo critério, de confiar à (ao) Candidata (o) Vencedor(a) a direção artística e o projeto executivo de uma, ou mais, subestação secundária específica.

Ao final do processo de avaliação, você receberá um parecer.

Se você for bem-sucedido, um representante da Enel fará contato com você para discutir as próximas etapas.

Anexos

Minibox (PDF)

PDF (0.09MB) Baixe

Minibox (DWG)

DWG (1.3MB) Baixe

Minibox (DXF)

DXF (7.17MB) Baixe

ENEL I&N SOLUTION SC IT - Minibox

IFC (34.98MB) Baixe

Standardbox (PDF)

PDF (0.1MB) Baixe

Standardbox (DWG)

DWG (1.64MB) Baixe

Standardbox (DXF)

DXF (7.2MB) Baixe

ENEL I&N SOLUTION SC IT - Standardbox

IFC (71.94MB) Baixe

Microbox (PDF)

PDF (0.11MB) Baixe

Microbox (DWG)

DWG (1.3MB) Baixe

Microbox (DXF)

DXF (7.2MB) Baixe

ENEL I&N SOLUTION SC IT - Microboxplus

IFC (14.1MB) Baixe

ENVISION METHODOLOGY FOR SUSTAINABILITY IMPACTS POTENTIAL

PDF (0.26MB) Baixe

Entre em contato conosco

{{content.helpText}}
{{content.helpText}}
{{content.errorMessage}}
{{content.helpText}}
{{content.helpText}}
{{content.errorMessage}}
{{content.helpText}}
{{content.helpText}}
{{content.errorMessage}}
{{ (returnValue && returnValue.label) ? returnValue.label : returnValue }}
Escolha uma opção
{{value.length}}/{{content.max}}
{{content.errorMessage}}
{{content.helpText}}
{{formError.errorMessage}}